Raças

Tudo sobre Pequinês

Pequinês

Por incrível que pareça, quando falamos no pequinês, é comum que venham à cabeça vários cachorros pequenos, mas nem sempre é realmente a raça certa. O próprio nome já indica que são cachorros de pequeno porte, porém será que isso significa que são fáceis de lidar? Será que são dóceis? Existe quem diga que os cães menores costumam ser mais bravos.

Se você tem curiosidade sobre esse cachorrinho e gostaria de saber mais sobre, até mesmo se estiver pensando em adotar, basta conferir abaixo. Você vai descobrir mais sobre a sua história, características e cuidados com a raça.

Qual é a história do pequinês?

Com certeza você conhece a raça, mas conhece a sua história? Pois saiba que ele é uma das raças de cachorro de menor porte do mundo, medindo no máximo 23 centímetros e pesando 6,5 quilos! Eles são originários da China e existem registros deles de milênios atrás (cerca de 4000 anos).

Sua origem não é certa, mas é repleta de lendas com deuses e criaturas míticas. Não sabia? Dizem que ele surgiu quando um leão e uma elefanta bem pequena, sendo que um deus os ajudou. O pequeno nasceu com a coragem e bravura de seu pai e tamanho e fofura da sua mãe.

Existem vários registros do cão em textos budistas, eram adotados em templos e com o surgimento da religião, eles ficaram bem populares em todo o oriente, mas infelizmente nem tudo é um mar de rosas.

Por volta de 1860 a Inglaterra invadiu a China e começaram a saquear tesouros, obras de artes e… Os cãezinhos! A partir daí começaram a levados para o ocidente, na Europa e consequentemente para a América. Mas a pior parte é que os chineses começaram a massacrar os cães, pois preferiam vê-los mortos do que com os invasores. Dizem até mesmo que só restaram 5 em toda a China nessa época.

Depois do ocorrido, conforme se reproduziram, não demorou muito para conquistar legiões de donos em todo o mundo. Seu tamanho pequeno e fofo o torna bastante interessante para pessoas que moram em apartamentos e casas menores, mas isso não é necessariamente uma facilidade.

Foi quando a família Roosevelt mostrou um pequinês quando chegavam na Casa Branca que o cão ficou popular e todos nos EUA queriam um também.

Caraterísticas do pequeno cão

O que lhe falta em tamanho, ele compensa em ousadia. O pequeno não chega a ser agressivo, mas é bastante independente e não costuma obedecer ordens e comandos. Ele vai até os donos frequentemente, mas porque quer e não por ser chamado.

Ele está entre as espécies menos inteligentes de cães, mas isso é relativo. Especialistas acreditam que o pequeno seja muito inteligente, mas simplesmente não seja obediente. Ele parece entender bem os comandos, só não quer executá-los. Essa característica é tão marcante nele que é comparável até à um gato.

Seu temperamento também não é tão fácil e ele é irritadiço. Se você incomodá-lo, ele não exita em abocanhar, inclusive costuma fazer isso quando se assusta ou com estranhos.

Mas chega disso, vamos falar da parte boa. Sua fofura é sem igual e ele é bem amistoso e carinhoso. Possui um círculo mais fechado de pessoas em quem confia, mas é super afetuoso com elas. Ele também é aquele tipo de cão se afeiçoa em uma única pessoa.

Precisam de atenção constante, porque podem entrar em lugares e entalar, comer coisas, fugir e muitas outras traquinagens. Se socializam bem e são equilibrados, ficando em ambientes pequenos ou grandes em o menor problema.

Não são agitados e não são tão irritadiços em ambientes agitados, ou seja, se tiver muitas visitas, barulho e movimento em sua casa, não seria tão problemático para o pequeno.

Possuem muitos problemas?

Eles possuem uma saúde relativamente frágil, principalmente nos olhos que sensíveis e propensos à infecções. Infelizmente terá que sempre cuidar e fazer uma limpeza de manutenção. Seu pelo também precisaria desses cuidados.

De maneira geral, esses são os maiores problemas, pois o restante é só alegria. Nem fazem tanta sujeira, por serem de pequeno porte. Também não são bagunceiros e nem tão enérgicos, sendo bastante sossegados e tranquilos a maior parte do tempo. Até mesmo quando filhotes possuem uma certa calma e tranquilidade, dormindo e comendo bastante.

Se você comparar seu tamanho com seu peso, verá que são propensos à obesidade e, portanto, problemas na articulação, mas são casos mais raros. Sua longevidade é bem alta, o que prova que tamanho do cão não tem relação com o de sua vida.

O pequinês pode ser adestrado?

Ele pode ser educado, mas dificilmente seria adestrado, por ser mais independente e não acatar comandos. Talvez isso se dê por conta de sua inteligência, mas ainda estão sendo realizados estudos na área. Você vai precisar repetir diversas vezes para que eles entendam e comecem a obedecer, mas com o tempo sempre dá tudo certo.

Não espere nenhum cão de guarda, mas ele também não é um preguiçoso total. Sempre latem para avisar se algum estranho se aproxima, portanto são ótimos cães de alerta.

Quanto custa um pequinês?

São cães mais baratos, porque são comuns e também por serem de fácil reprodução, mas não vá achando que serão tão abaixo da média. O valor está entre R$500,00 e R$2.000,00, dependendo se são filhotes, que costumam ser mais caros, além de o fato de serem fêmeas também afeta o valor. Existem períodos em que o preço chega até mesmo em R$3.000,00, mas não costumam ficar assim o tempo todo.

Você também terá gastos com uma alimentação adequada, remédios, banhos, tosas e muito mais, então saiba que é um cão que exige cuidados.

No fim das contas vale a pena?

Se você quer um cãozinho pequeno e fofinho e não liga muito para o fato de ele ser obediente nem nada do tipo, com certeza vale. Existem até aqueles que preferem um cão mais temperamental. No entanto, se você quer um cão de guarda, alguém que defenda o lar ou um cão extremamente brincalhão com a família, o pequinês não se encaixa tanto nesse padrão.

Deixe seu Comentário